Comboio para Lisboa: horários, preços e bilhetes

Capital de distrito, Lisboa é capital do país. Na sua área metropolitana vive mais de um quarto da população portuguesa: é a zona mais densamente populosa do território continental. Estende-se pelas margens do Tejo, cruzado por duas pontes que oferecem do alto uma vista bem diferente da dos cacilheiros que cruzam sem descanso as águas do rio. Servida por uma rede de metropolitano com quatro linhas, o transporte característico permanece o elétrico, que alcança de forma inigualável os espaços mais recônditos das ruas e bairros antigos, como o Bairro Alto ou Alfama, onde decorrem as festas dos santos padroeiros. Característicos e de visita obrigatória são também os quatro elevadores espalhados pela cidade: Santa Justa, Glória, Bica e Lavra. A localização da Estação de Santa Apolónia, na amena zona ribeirinha, é apenas superada pela Estação do Rossio, no coração da cidade, que faz vizinhança a imponentes edifícios como o Teatro Nacional D. Maria II, o Coliseu dos Recreios, o Teatro Tivoli ou o Cinema São Jorge. Menos vistosas, mas funcionais, são as estações do Cais do Sodré e Entrecampos. Mais moderna, a Gare do Oriente, remonta à Expo 98. A cinco estações no seu conjunto são os nós que permitem o acesso por via ferroviária a linhas que permitem chegar a qualquer ponto do país e mais além. Lisboa “Menina e Moça” é, apesar de tudo, uma cidade que se conhece a pé, passeando pela Feira da Ladra ou pelo Mercado de Fusão, subindo ao topo do Castelo de S. Jorge ou cruzando o Chiado, deambulando pelo Parque das Nações ou por Belém. E quando a urbe basta e se impõe algum descanso do asfalto, basta seguir a Fertagus até ao areal da Costa da Caparica ou acompanhar a CP até às verdes e bucólicas paragens de Sintra.